terça-feira, 23 de dezembro de 2014

NATAL

A estrela que brilha além da noite e da neve
Suspende hoje a intempérie no silêncio noturno
Sobre o estábulo despencado
Habitado por brilhos e sorrisos claros
De um recém-nascido sem bandeiras nem
Tambores

Mas traz consigo primaveras, lenha e trigo,
Cacho, alegria, milagres
Espuma, serenidade e sonhos
Para vocês, amados de Deus.
Feliz Natal!
(Frei Ignácio Larranãga - Circular nº 11/1998)

Especialmente para Lilá(s)

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Traze-me

Boiçucanga - SP


Traze-me um pouco das sombras serenas
que as nuvens transportam por cima do dia!
Um pouco de sombra, apenas,
- vê que nem te peço alegria.
Traze-me um pouco da alvura dos luares 
que a noite sustenta no teu coração!
A alvura, apenas, dos ares:
- vê que nem te peço ilusão.
Traze-me um pouco da tua lembrança,
aroma perdido, saudade da flor!
-Vê que nem te digo - esperança!
-Vê que nem sequer sonho - amor!



Cecília Meireles

Lendo, encantada, esta grande poetiza.
Desejando que os bons ventos tragam a todos alegria, esperança e amor!



sábado, 2 de novembro de 2013

Para Você






Para você que sempre passa aqui,
deixando suas palavras amáveis...






Desejo a você... 
Fruto do mato 
Cheiro de jardim 
Namoro no portão 
Domingo sem chuva 
 Segunda sem mau humor 
   Sábado com seu amor 
Ouvir uma palavra amável 
        Ter uma surpresa agradável 
   Noite de lua Cheia 
   Rever uma velha amizade 
        Ter fé em Deus !


Carlos Drummond de Andrade

Obrigado por seu carinho e amizade Lila

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Poeminha Amoroso







Este é um poema de amor 

tão meigo, tão terno, tão teu... 
É uma oferenda aos teus momentos 
de luta e de brisa e de céu... 
E eu, 
quero te servir a poesia 
numa concha azul do mar 
ou numa cesta de flores do campo. 
Talvez tu possas entender o meu amor. 
Mas se isso não acontecer, 
não importa. 
Já está declarado e estampado 
nas linhas e entrelinhas 
deste pequeno poema, 
o verso; 
o tão famoso e inesperado verso que 
te deixará pasmo, surpreso, perplexo... 
eu te amo, perdoa-me, eu te amo... 




Cora Coralina

Estava com saudade desta senhorinha, tão meiga , tão terna , tão...quanto seu poema.
Trouxe-a junto com esta foto de Ilha Grande, tirada pelo meu amor.
Faltou a concha, mas isso não importa...

terça-feira, 30 de abril de 2013




No fim tu hás de ver que as coisas mais leves
são as únicas que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo, 
o carinho no momento preciso, 
o folhear de um livro, 
o cheiro que um 
                               dia teve o próprio vento... 

Mario Quintana

quarta-feira, 20 de março de 2013


O outono toca realejo
No pátio da minha vida.
Velha canção, sempre a mesma,
Sob a vidraça descida…
Tristeza? Encanto? Desejo?
Como é possível sabê-lo?
Um gozo incerto e dorido
De carícia a contrapelo…
Partir, ó alma, que dizes?
Colher as horas, em suma…
Mas os caminhos do Outono
Vão dar em parte nenhuma!
Mário Quintana

sábado, 16 de março de 2013


"E vieram dizer-nos que não havia jantar.
Como se não houvesse outras fontes
e outros alimentos.

Como se a cidade não servisse o seu pão
de nuvens.

Não,hoteleiro , nosso repasto é interior,
e só pretendemos a mesa.
...
Tudo se come ,tudo se comunica. 
tudo ,no coração ,
é ceia. "

Carlos Drummond de Andrade